Veículo: Camille Claudel, a sombra de Rodin . Terça-Feira, 19 de Dezembro de 2006 .
Título: Camille Claudel, a sombra de Rodin


Camille Claudel, a sombra de Rodin

Museu de Artes e Ofícios apresenta exposição da escultora francesa em comemoração ao seu primeiro ano de funcionamento


O Museu de Artes e Ofícios (MAO) faz aniversário, mas é a cidade quem ganha presente (e é presente também de aniversário, já que completa 109 anos no dia 12 de dezembro). Um precioso e inédito acervo contendo obras da maior escultora da segunda metade do século XIX e início do século XX, a francesa Camille Claudel, chega a Belo Horizonte neste mês de dezembro para comemorar o primeiro ano de funcionamento do Museu.

A exposição "Camille Claudel, a sombra de Rodin", após passar pelos estados de Tocantins e Espírito Santo, vem comprovar aos mineiros que Camille foi muito mais do que a sombra de seu mestre e amante, Auguste Rodin. É a segunda vez que uma mostra da escultora é realizada em Belo Horizonte (a primeira foi no Museu de Arte da Pampulha, há 10 anos). Dessa vez, no entanto, o público poderá conferir obras que nunca vieram a BH.

Algumas das mais significativas obras da escultora francesa poderão ser vistas de perto pelos visitantes. Entre elas, estão a mais famosa, "A Valsa" (1895), que marca o coroamento da relação de ambos e da sua realização como escultora, e "O Abandono" (1905), que retrata o drama e a paixão vividos por Camille.

"Ao abrir esta exposição admirável justamente no dia que marca um ano de sua inauguração, o Museu de Artes e Ofícios reafirma a sua vocação de espaço aglutinador e irradiador de cultura, a partir de uma política de permanente diálogo e aproximação com seus públicos", afirma a presidente do ICFG, Angela Gutierrez.
A curadoria da mostra é do escritor e crítico de arte, ex-adido cultural da França no Brasil, Romaric Sulger Büel, conjuntamente com Madame Reine-Marie Paris de la Chapelle, sobrinha neta da artista e neta do escritor Paul Claudel, prêmio Nobel de literatura, irmão mais novo e confidente de Camille. A mostra é constituída de um núcleo de obras pertencentes a museus e coleções particulares, sendo a principal a coleção de Madame Reine-Marie.
Para o curador, "a exposição tem uma verdadeira importância artística, uma espécie de coroamento que nós, no século XXI, estamos mais preparados a prestar às mulheres e às artistas de um modo geral. O público poderá descobrir uma vertente essencial na história e na arte ocidental, fato que nos emociona e nos preenche de orgulho em nossa tão descuidada cultura".


Sobre Camille

Nascida em 8 de dezembro de 1864 na pequena cidade de Aisne, na França, ainda criança produziu esculturas de ossos e esqueletos com impressionante verossimilhança. Seu pai, maravilhado com o seu estupendo e precoce talento, oferece todos os meios de desenvolver suas potencialidades, mesmo com a reprovação da mãe.

Seus trabalhos são apresentados pelo pai a Alfred Boucher, importante escultor do século XIX, que, também impressionado, leva-os para o famoso escultor Paul Dubois. Em 1881, ela parte para Paris e ingressa na Academia Colarossi, uma das raras academias também abertas para mulheres, tendo por mestre primeiramente Alfred Boucher e depois Auguste Rodin.

O deslumbramento pelo enorme e precoce talento da artista e os encontros sucessivos entre Rodin, 43 anos, e Camille, 19 anos, levou-os a uma relação que durou quinze anos e influenciou toda a técnica utilizada por Camille em seus trabalhos até então.

O período em que ela ficou no ateliê de Rodin como sua assistente foi considerado o mais produtivo da vida do famoso escultor e, para Camille, a sua pior fase. Por tudo isso, sua vida e seu trabalho ficaram ligados ao gênio Rodin.

O romance terminou em 1898, mas Camille continuou a esculpir. Longe de Rodin, começou a ter problemas financeiros e a demonstrar sinais de distúrbios mentais. Em 1906, ela destrói grande parte de seu próprio trabalho e é internada em um hospital para doentes mentais, onde permaneceu por 30 anos, morrendo em 1943.


A mostra
Serão expostas 24 esculturas de Camille Claudel, Auguste Rodin e Alfred Bucher, além de documentos, cartas autênticas de Rodin e Camille, fotos e 18 gravuras feitas pelo escultor. Painéis explicativos trilharão o percurso da vida da artista, evidenciando o desenvolvimento de suas obras.
"Diane", "A velha Helena", "Mulher agachada", "Jovem Romano", "Jovem com feixe de trigo" são mais algumas das esculturas de Camille que compõem a exposição ao lado de estudos em bronze de Rodin, entre eles "O Beijo", "O Pensador", "A eterna primavera" e "Toilete de Vênus".
A vida e a obra da escultora também poderão ser conferidas através do filme "Camille Claudel" (França, 1998), de Bruno Nuytten, com os atores Isabelle Adjani e Gérard Depardieu, e do documentário homônimo de Dominique Rimbault (2002).

Serviço

Exposição "Camille Claudel, a sombra de Rodin"
Abertura ao público no dia 14 de dezembro até 11 de janeiro de 2007.
Local: Museu de Artes e Ofícios (MAO)
Endereço: Praça da Estação, s/n°
Ingressos: R$ 2,00

Exibição de filme
"Camille Claudel" de Bruno Nuytten (1998) 116 minutos
Quartas-feiras, às 18h30
Lotação: 50 pessoas
Os ingressos devem ser retirados antecipadamente no dia da exibição na bilheteria do MAO.


Exibição de Documentário
"Camille Claudel" de Dominique Rimbault (2002) 58 minutos
De terça a sexta-feira, 1ª sessão às 14hs, 2ª sessão às 17hs
Lotação: 50 pessoas por sessão
Os ingressos devem ser retirados antecipadamente no dia da exibição na bilheteria do MAO.

Horário de funcionamento:
Terça, Quinta e Sexta-feira - das 12 às 19 horas
Quarta-feira - das 12 às 21 horas
Sábado, Domingo e Feriado - das 11 às 17 horas
Obs: Não haverá exposição nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 01 de janeiro de 2007.


Assessoria de imprensa e comunicação
Conceito Comunicação Estratégica
José Eduardo Gonçalves/Fernanda Aguilar
31-3225-1888 / 31-8611-0431
conceitocomunicacao@terra.com.br
Rua Alagoas, 1314 sala 408 - Savassi - BH

 
 
 
 
 
20.3.2007
Museu do Oratório participa, em Brasília, da exposição Aleijadinho e seu Tempo - Fé, Engenho e Arte
 
 
19.12.2006
O Estado de Minas
 
 
19.12.2006
Camille Claudel, a sombra de Rodin
 
 
30.11.2006
Veículo: Revista Museu - www.revistamuseu.com.br
 
 
30.11.2006
RAQUEL FARIA - Aviso aos fãs
 
 
30.11.2006
JORNAL O TEMPO
 
 
30.11.2006
Hoje em Dia
 
 
16.11.2006
Jornal Estado de Minas - 09/11/2006
 
 
14.11.2006
11/11/2006 - Hoje em Dia
Caderno de Cultura
 
 
14.11.2006
Revista Educação - www.revistaeducacao.com.br
AGENDA
 
 
1 . 2 . 3

 
 
  Instituto Cultural Flávio Gutierrez R. Sapucaí, 127 Floresta 30150-050 Belo Horizonte MG info@icfg.org.br 55 [ 31 ] 3261 6179